segunda-feira, 29 de abril de 2013

Dossiê “Felicidade”: 3 textos sobre a novela de Manoel Carlos



Helena (Maitê Proença) entre dois amores: Mario (Herson Capri) e Álvaro (Tony Ramos)

Se tem uma novela que eu tenho assistido com assiduidade no momento, essa novela é “Felicidade” (1991), de Manoel Carlos, atualmente em reprise no Canal Viva de segunda à sexta, às 15:30 e à 01:00 da madrugada. O folhetim, livremente inspirado em contos de Aníbal Machado, ficou marcado pelo romantismo, pela simplicidade e por altas doses de lirismo e poesia em suas tramas cheias de personagens cativantes. A novela também marcou o retorno de uma personagem chamada Helena em uma trama do autor. A primeira tinha sido Lilian Lemmertz, dez anos antes em “Baila Comigo”. Para me ajudar a construir um verdadeiro Raio X da novela, convidei dois amigos que também gostam muito dela: o querido Wesley Vieira, pra falar um pouco da trilha sonora; e Raphael Ramos, que nos apresenta uma visão bem completa da novela sob vários aspectos, inclusive um relato bem emocionante de sua memória afetiva em relação a ela.
Melão apresenta três textos diferentes que falam do mesmo tema: felicidade!



Uma nova chance para “Felicidade”
Por Vitor de Oliveira


“Felicidade se acha em horinhas de descuido”, já dizia Guimarães Rosa. E foi justamente por um descuido que me vi acompanhando a reprise da novela no Canal Viva, de maneira muito descompromissada e, quando me dei conta, não conseguia perder um capítulo sequer. Confesso que a novela não me chamou a atenção em sua primeira exibição. Talvez por ser um adolescente na época e ter me ligado muito mais em “Vamp”, que passava no horário seguinte. Já era crescido demais para a trama infantil e ainda muito jovem para os complicados enlaces amorosos de Helena e cia.

Mas agora nessa nova reprise, decidi assistir a alguns capítulos para comprovar o desinteresse que tinha pela novela. Fui assistindo aos capítulos um a um e quando me dei conta já estava completamente envolvido pela história simples, poética e comovente, pelas incríveis atuações e pelo texto sempre realista do autor. “Felicidade” tem uma aura de novela mexicana: herói certinho, heroína sofredora e vilã louca. Há algumas frases ditas pela vilã Débora (Viviane Pasmanter) como “eu sou a mais infeliz das mulheres” que comprovam essa impressão. Mas a novela está longe de ser maniqueísta ou de conter personagens estereotipados. Os personagens bem que podiam ser nossos vizinhos. Os problemas e dilemas deles se parecem com os nossos. A trama não tem aquele ritmo ágil, tampouco cenas grandiloquentes, mas o texto é tão envolvente, os personagens são tão cativantes, os cenários e figurinos tão realistas que não há como não se identificar e criar um vínculo afetivo com a novela. E, assim, suavemente, sem alarde, “Felicidade” nos captura e nos conquista.

Ariclê Perez: magnífica como Ametista
São inúmeros os destaques do elenco, desde a exuberância de Sandra Bréa à maravilhosa contenção de Ariclê Perez, duas saudosas atrizes que fazem muita falta na tevê, mas gostaria de destacar o trabalho da protagonista, vivida magistralmente por Maitê Proença e defendida com garra pela atriz. O mais fascinante nessa Helena é que, ao contrário das outras, que mentiam e guardavam segredos sempre para proteger outra pessoa, essa Helena mente em benefício próprio, como quando forjou uma gravidez falsa para fazer com que o marido se mudasse com ela para o Rio. Ao ver que o plano não deu certo, Helena não hesitou em simular a perda da gravidez e realizar o funeral do bebê enterrando um tijolo no lugar dele. Mesmo assim, continuamos a torcer por Helena, uma das mais imperfeitas e humanas das Helenas do autor. E Maitê Proença não desperdiçou a oportunidade nos brindando com um brilhante trabalho. Já coloquei essa Helena no rol de minhas favoritas. Há que se destacar também o primoroso trabalho de Edney Giovenazzi e seu Chico Treva, um personagem complexo, construído sem palavras, apenas com delicadeza e minimalismo que só poderia mesmo ser interpretado por um ator de alto nível.

Edney Giovenazzi: memorável como Chico Treva
Enfim, “Felicidade” é uma autêntica novela de Manoel Carlos, o autor que mais consegue dar dimensão humana aos personagens, mas também tem um toque de Ivani Ribeiro, ao conter uma simplicidade comovente que está longe de ser simplória, que se aproveita de nosso “descuido” para nos conquistar. 22 anos depois, me rendo e coloco “Felicidade” no rol de minhas favoritas.
  
____________

As trilhas de FELICIDADE

Por Wesley Vieira

FELICIDADE. Aí está uma novela que me surpreendeu positivamente. Quando foi exibida, em 91, eu era criança. Assistia, claro, mas a imagem que ficou cristalizada em minha memória não foi a melhor. Quando anunciaram a reprise no Canal Viva, torci o nariz: “Mas que novela cafona, chata, blargh”. Hoje, um pouquinho (só um pouquinho) mais velho, assistindo a saga de Helena (Maitê Proença em seu melhor momento), constato que eu estava redondamente enganado. A novela é linda em todos os aspectos. Manoel Carlos, o nosso Maneco, estava inspirado.

No entanto, independente da novela, as trilhas sonoras sempre permearam as minhas lembranças, em especial o disco internacional, que, evidentemente, me marcou mais. Não deixo de citar o disco nacional, embora essa trilha não esteja entre as minhas favoritas, justamente por causa da inclusão de músicas como “Seja mais você”, do Grupo Raça, tema de Tuquinha, e “Você ainda vai voltar”, da dupla Leandro & Leonardo, tema de Helena e Mário. Estas casavam perfeitamente com os personagens em questão, mas como, particularmente, não gosto desses estilos musicais, definitivamente, FELICIDADE Nacional não me causa boa impressão. A pior, em minha opinião, é “O amigo do rei” do Pery Ribeiro - uma música enjoada para um personagem extremamente chato, neste caso, o Ataxerxes. “Casou” bem. O pior é que se trata de uma das músicas mais tocadas durante a novela. Claro, há músicas interessantes, como “Começo, meio e fim” do Roupa Nova, canção que, por sinal, apesar de ser tema do casal protagonista, se tornou o símbolo de toda a novela. Elis Regina com “Velho Arvoredo” é de uma beleza encantadora, assim como Beto Guedes com “Meu ninho”.


Já, FELICIDADE internacional contém uma seleção de músicas agradáveis. Praticamente todas as canções são boas e fizeram (e ainda fazem) muito sucesso. Algumas ficaram marcadas como temas dos personagens. Há quem diga que o jamaicano Jimmy Cliff tenha feito “Peace” especialmente para a novela. Procurei informações a respeito, mas nada foi comprovado. O certo é que a música é linda e de alguma forma, deixou a vilã Débora ainda mais interessante. "Set Adrift On Memory Bliss" do P.M. Dawn abre o disco trazendo um sample da clássica “True” do Spandau Ballet e ilustrava as paisagens cariocas. Alváro se encontrava com Helena ao som contundente de Michael Bolton com "When a Man Loves a Woman". E "Set The Night To Music" com Roberta Flack & Maxi Priest pontuava as cenas do bom moço, Mário, eternamente apaixonado por Helena. Curiosamente, a baladinha gospel da cantora Martika, “Love… Thy Will Be Done", serviu como tema do esquentado Zé Diogo.

Você, que está lendo esse texto, pode até não gostar, mas a música principal desse disco e da novela, é, sem dúvidas, "Theme From "Dying Young", do Kenny G., tema do filme homônimo lançado no mesmo ano, e aqui, na novela, tema de Helena. Há quem odeie, mas de alguma forma, o lamento saxofônico embala com exatidão os dramas da personagem.

Ainda há músicas interessantes que ainda não foram executadas na novela (até então), como a poderosa "Miles Away" da banda Winger e "Caminando Por La Calle" do Gipsy Kings, ainda que, essa última, em ritmo cigano, esteja descontextualizada da novela.

Enfim, as trilhas de FELICIDADE, como sempre, embalando os personagens e suas histórias na telinha e, também, a nossa vida e memória afetiva. 
_________________



“ ENCONTRAMOS A FELICIDADE QUANDO TEMOS CORAGEM PARA RECOMEÇAR”
Por Raphael Ramos

Maitê Proença dando vida a uma das mais interessantes Helenas
Poucas tramas conseguem ser fiéis ao nome que elas carregam ao longo de mais de 100 ou 200 capítulos. ”Felicidade” conseguiu, não apenas ser fiel nisso como também conseguiu prender o telespectador pela qualidade de sua trama, pelos personagens bens construídos e pelo capricho do autor e colaboradores em ter a percepção que todos os personagens mereciam ter uma história do início ao fim, sem falar no desafio que é manter um ibope no horário das 18 horas sendo uma novela exibida numa época onde a internet não era uma febre.

Eu tenho tantos e inúmeros motivos para agigantar essa obra porque a vejo como excelente em vários ângulos. A cada ângulo chamarei por FELICIDADE não só pelo motivo do título da obra, mas pelos êxitos atingidos sob vários aspectos. São eles: FELICIDADE AUTORAL, FELICIDADE ARTÍSTICA, FELICIDADE CULTURAL E FELICIDADE PESSOAL (o momento crítico e pessoal que eu vivia na época com apenas 10 anos de idade).

Na minha modesta opinião, a década de 90 foi a mais inspiradora para Manoel Carlos. As melhores tramas do autor se concentram nestes anos e FELICIDADE foi a melhor no meu ponto de vista. O meu gosto geralmente não acompanha o gosto popular, quando se fala em Manoel Carlos muitos citam “Laços de Família”, “Mulheres Apaixonadas”, etc. A trama em questão não se passa no Leblon e possui uma agilidade bem peculiar de cada capítulo. Ela se divide em duas fases bem definidas, personagens que começam, se desenvolvem e terminam sua história, locações diversificadas como o bairro Peixoto em Copacabana, a fictícia Vila Duília no Engenho Novo e a primeira fase que se passava na fictícia Vila Feliz no interior de Minas Gerais. Manoel Carlos, ao lado de Elizabeth Jhin, Marcus Toledo e Eliane Garcia, prendiam a atenção de adultos e crianças cada vez que a tela congelava na última cena e o arco-íris finalizava o capítulo. As cenas na praça Peixoto, a escola das crianças, a igreja de Chico Treva, a vila do subúrbio davam ar de realidade e de cotidiano ao telespectador. Isso é uma FELICIDADE AUTORAL. Poucos autores como Maneco sabem fazer.

FELICIDADE ARTÍSTICA era ver tantos atores maravilhosos defendendo bem seus personagens. Apesar da trama estar sempre em volta dos desencontros de Álvaro (Tony Ramos) e Helena (Maitê Proença) muitas vezes provocados pelos próprios e milhares de vezes bloqueados pela mimada Débora (Vivianne Pasmanter), as tramas paralelas nunca foram sufocadas pelos protagonistas. Eu destaco alguns aspectos que me fazem admirar a trama:

- A segunda Helena de Maneco após dez anos de jejum é construída de muitos defeitos que a fazem querida e forte para o público. Sustenta mentiras, egoísmos, egocentrismos, forte no que quer e na criação da filha, mas fraca ao enfrentar os obstáculos do amor. Helena ama Álvaro, mas se ama infinitamente primeiro e isso é louvável para a mocinha de uma teledramaturgia.

- O personagem da antagonista Debora que foi brilhantemente defendido pela novata Vivianne Pasmanter que se superou em talento. Debora é uma mulher insegura, vingativa, mimada, fraca e que despertava tanta raiva que chegava a dar pena das insanidades cometidas.

Laura Cardoso em cena com Ester Goes
 - Quero destacar o carisma de Cândida (Laura Cardoso), uma avó que dava vontade de encher de beijos, suas cenas são lindas e cheias de carinho. Cândida era uma mulher rica e simples como o ser humano deveria ser, comedida em fofocas, mas sabia dizer a verdade diretamente doa a quem doer.

- Destaque para Ametista (Ariclê Perez), o melhor personagem da atriz em novelas. Uma mulher seca, amarga e que nunca é emoção, pois tem motivos pra ser só razão, religião e tradição. As cenas são ricas e densas quando nos colocamos no lugar de uma mulher que lutou com simplicidade para ter seu canto junto a terra e teve que abrir mão de tudo, segurar as loucuras do marido, teve que ver todo seu sonho em dançar e tudo que construiu se desmoronar ao ponto de dividir um cômodo de favor com amigos.

Bia (Tatiane Goulart) e Alvinho (Eduardo Caldas): sucesso na época
 - Destaque para o núcleo infantil em cenas tão singelas, leves e contagiantes. Esse foi o sucesso para a trama também conquistar o público infantil. O amor incondicional de Bia (Tatyane Goulart) e Alvinho (Eduardo Caldas) estava acima de qualquer desavença de seus pais, sem falar da música-tema e da amizade da amiga Bel (Aline Menezes) que deu um toque ainda melhor para o núcleo. 

A exuberante Sandra Brea em cena com Viviane Pasmanter, Ary Coslov e Tony Ramos
- Vale ressaltar o meu amor pela impagável Rosita (último personagem de Sandra Bréa numa novela inteira). Apesar do personagem ser escada para vilã e não ter muita trama, as cenas de Rosita são marcantes e marcadas pelo exagero da fala, da gesticulação, do alto astral. Parece que você vê a novela toda pelo mesmo tom, mas quando Rosita aparece o som aumenta, a alegria contagia o capítulo.

  A novela tem um toque muito importante chamado ANÍBAL MACHADO. O escritor é usado como fonte de inspiração pelo autor pra construir tramas e personagens. É onde entra a FELICIDADE CULTURAL. É importante dizer que os contos foram livremente baseados e adaptados. A fonte de inspiração e o autor possuem algo em comum: falar de temas densos em diálogos leves e personagens conflitantes. Confesso que o primeiro chamariz a me fazer ver a novela lá em 1991 foi ter lido para escola o conto “O piano”. Pontuarei esse conto e alguns que norteiam a novela:

- O conflito de João do Piano (Sebastião Vasconcelos) em não conseguir vender seu piano por já ser peça em péssimo estado de conservação, mas estimado por ser relíquia de família. O instrumento se torna um fardo quando a filha Selma (Ana Beatriz Nogueira) resolve se casar com Luiz (Bruno Garcia) e não tem onde deixar o piano. O dilema perdura por muitos capítulos até que João se sente um estorvo ao lado do piano e resolve dar fim a sua vida se afogando com o piano no meio da praia de Copacabana. Essa é uma das cenas fortes da novela que eu jamais esquecerei.

- O próprio protagonista Álvaro é atormentado pela acusação de matar por engano em Vila Feliz um menino chamado Zeca Ventania que ele vê em seus pesadelos ou em momentos de perigo. (No conto original chamado “O iniciado ao vento” o menino se chamava Zeca da Curva e a novela livremente promoveu algumas alterações).

Tuquinha Batista (Maria Ceiça): personagem inspirada em conto de Aníbal

- Dois contos norteiam a trama de Tuquinha Batista, personagem defendido com muito êxito pela novata atriz na época Maria Ceiça. Dona de um caráter forte e muito prestativa, Maneco reservou para a personagem o conto de Aníbal, “Monólogo de Tuquinha Batista”, quando a moça fala do amor que tinha pela zona norte e a resistência em não ir para a zona sul, mas principalmente no conto “A morte da porta estandarte” é que a personagem é traçada. Sua irmã Bel anuncia a sua morte através de um sonho. Na novela, Tuquinha era porta bandeira da G.R.E.S Estácio de Sá e é morta a facadas pelo ex namorado ciumento Tide (Maurício Gonçalves).Ótimas as cenas gravadas na quadra da escola.

- Vários outros contos são fontes de inspiração que criaram personagens: “Acontecimentos em Vila Feliz” serviu de inspiração para os personagens Mario (Herson Capri), Zé Diogo (Marcos Winter) e Chico Treva (Edney Giovenazzi), o horripilante e mudo ogro que não fazia mal a uma formiga. O conto “Tati, a garota” foi a base para o relacionamento entre mãe e filha de Helena e Bia e o conto “O telegrama de Ataxerxes” foi pano de fundo para o sonhador, falido e inconsequente Ataxerxes (Umberto Magnani).

  Gostaria de terminar essa longa avaliação pessoal declarando que além de todos esses motivos que tenho para aplaudir de pé a novela, ainda existe um motivo mais forte: a FELICIDADE PESSOAL. Minha mãe foi a responsável por me fazer gostar de TV e junto com ela eu comecei a ver novela em “Livre para Voar” – 1984. “Felicidade” foi a última novela que nós vimos juntos antes da sua partida precoce. Se em 1984 ela me convenceu a ver a primeira, eu a convenci a ver essa última comigo.

  Em meio a preparativos da festa de 15 anos da minha irmã, eu puxava a senhora Maria Aparecida para sentar-se comigo na sala e ganhar seu tempo de seis às sete. Muitas vezes eu ouvia ela dizer que a festa da minha irmã era a última coisa que ela gostaria de fazer em vida pois já sabia que andava bastante doente, muitas vezes ela relutava em ver comigo para agitar os preparativos, mas eu percebia que ela pensava duas vezes e vinha ficar ao meu lado, vejo hoje que ela agia como se tivesse me fazendo companhia pela última vez!

  Nos últimos capítulos da novela ela já se encontrava debilitada, mas fomos juntos até o fim da trama. Lembro que não conseguia ver quando sua reprise foi ao ar por lembrar dela doente ao meu lado, mas sem perder a força, a alegria e seu amor. Ela me deu a base para eu entender hoje o que é ter Felicidade. Felicidade não é um estado de espírito que conseguimos manter o tempo todo, mas é a certeza de que problemas, decepções e tristezas virão e eu serei atingido, mas não me deixarei abalar. A gente levanta e não se faz de coitado! Sorrio pra curar a dor! Termino com o trecho da música da trilha da novela “Estrela Amiga” (grupo Ping Pong), trecho esse que ela cantava pra mim: “Eu tenho tanto que sonhar, cada vez eu sonho mais, quem tem a sua estrela amiga, sonha (dorme) em paz...”
_____________


Wesley e o melão. Rapha e eu curtindo o carnaval: será o desfile de Tuquinha Batista?



E você, o que mais curte em "Felicidade"? Deixe seu comentário! 
___

LEIA TAMBÉM: 

Dossiê “Dancin’Days”: a novela que fez o Brasil dançar!



Série Memória Afetiva: 12 trilhas internacionais – por Wesley Vieira






14 comentários:

aladimiguel disse...

Muito boa mesmo a análise dos meus queridos amigos Vitor, Wesley e Raphael sobre as marcas que a novela "Felicidade" deixou. Um verdadeiro Dossiê he he he... Parabéns aos três pelos textos fantásticos. Arrasaram! Realmente é uma grande FELICIDADE poder ter a chance de rever esse sucesso inesquecível no Canal Viva, o paraiso dos nostálgicos! Ah! Muitas saudades da ESTRELA RADIANTE Sandra Bréa!

RRJunior disse...

Sempre achei "Felicidade" uma ótima novela! Vi pouco na sua primeira exibição... Quase pelo mesmo motivo do Vitor. Sim, eu era um adolescente e preferia ficar na rua zuando do que ficar na frente da tv vendo a novela, mas na hora de Vamp todo mundo parava mesmo! rsrsrs. Mas acompanhei bem pela mídia tudo da novela, tanto que qd reprisou eu sabia de muita coisa e pude desfrutar melhor, mesmo sendo pícotada.
Como eu disse pro Wesley dia desses, "a reprise da novela nesse momento foi um presente do canal viva pra mim! Passei por momentos tão ruins ano passado e a novela conseguiu me trazer toda a felicidade que eu precisava... Foi bom recordar momentos felizes de 22 anos atrás e poder ver que a vida ainda tem muita coisa boa pra dar... Às vezes me pego chorando só de ver cenas com Maitê e seu tema musical, os belos acordes do sax de Kenny G".
Enfim... Não preciso falar da novela, pq o Vitor e o Rapha já disseram tudo! Qt a sua trilha sonora... AMO os dois discos! As músicas selecionadas encaixam perfeitamente em cada personagem e, discordando do Wesley (ele sabe disso! rsrs), "Amigo do Rei" do Peri Ribeiro é linda! A música mostra todo lado sonhador do personagem Ataxerxes... Tão sonhador e tão louco ao mesmo tempo!
Detalhe: assim como "Peace" foi composta especialmente para a trama, "Seja Mais Você" também foi composta especialmente para a personagem Tuquinha Batista.
Falando ainda da trilha... Só fico um pouco decepcionado pq músicas boas do disco foram pouco aproveitadas na trama (como "Miles Away" e "Camiñando por La Calle").

Belo dossiê, rapazes! ;)

Maurício Ferreira disse...

Manoel Carlos é um gênio !

Raphael Ramos disse...

Obrigado amigos! Quando você assiste Felicidade, você descobre a riqueza de uma novela que de cara oferece o atrativo do melodrama, mas que a riqueza do texto, os dramas tão comuns e uma Helena tão humana faz a novela crescer no conceito e deixar de ser um dramalhão para virar um novelão! Vale a pena assistir, assim como Wesley e o Vítor, não consigo deixar de acompanhar!
Tudo que foi escrito foi com todo o coração dentro de uma realidade latente da minha vida!

Raphael Ramos disse...

Eu amo as duas trilhas sonoras! Acho que casou perfeito um pagode com cadência de samba para Tuquinha. Apesar de não gostar de pagode e amar samba! rs
A música Camiñando por la Calle tocou raras vezes, acho que umas duas vezes, mas só tocou sua introdução ou a parte cantarolada da música em algumas cenas de Ester Góes e Sandra Bréa, não me lembro bem!

RRJunior disse...

Na realidade Rapha a música do Gipsy Kings só deve ter sido incluida na trama devido ao grande sucesso do grupo na época... Em 91 e 92 o Gipsy Kings estava tão no auge quanto o pagode (vide exemplos de Raça Negra e cia rsrsrs).
Quanto a "Miles Away"... deve ter sido incluída na trilha por conta do sucesso do comercial dos cigarros Hollywood... "Be My baby" era do comercial da UStop (se não me falha a memória), porém ficou sendo tema da Lídia.

Wesley disse...

Que texto lindo do Raphael... Lindo e emocionante. Muito bom recordar esses momentos... Seu texto me deixou emocionado.

Raphael Ramos disse...

Obrigado Wesley, acho que os três textos entraram numa sintonia ótima, que bom que consegui passar a emoção que sinto até hoje ao assistir a novela!

Emerson Felipe disse...



Não tenho acompanhado a novela como gostaria, infelizmente, mas, do pouco que vejo, me emociono com Ariclê Perez e sua Ametista.

Quanto às trilhas, também não sou muito entusiasta da nacional enquanto conjunto - embora aprecie as faixas do Roupa Nova, do Bete Guedes e da Elis Regina ("Velho Arvoredo" é emoção pura)- , preferindo a internacional.

Parabéns a vocês três pelo rico e emocionante dossiê Felicidade :D

adailton77 disse...

Mesmo tendo se passado quase dois anos da reprise de Felicidade, não pudia deixar de colocar o meu registro sobre a trama: foi muito bom rever essa novela, me fez lembrar a época da minha adolescência que eu estava vivenciando na ocasião. Uma coisa que me marcou profundamente em Felicidade e que acredito que nem sequer passou pela cabeça de vocês é a parte das trilhas instrumentais, que pra quem não estiver ligando o nome a pessoa, ou melhor, às músicas, rsrsrsrs!!!! são aquelas que embalam as cenas de drama, romance, suspense, tragédia, tensão... e aqui até posso destacar algumas como por exemplo, as que foram tocadas na cena onde Zé Diogo surpreende Débora em seu apartamento, em represália por ela ter invadido o apartamento de Helena e ter deixado recado escrito com batom no espelho pra que ela lesse. Um exemplo de instrumental dessa novela, que é tocado nesta cena (e que é o meu preferido) é aquele que toca na sequência em que Débora abre o guarda-roupa e lá encontra escrita com batom no espelho a frase "Viu como também é fácil entrar aqui? Ass.: Zé Diogo", é muito forte, impactante e expressa bem a bombasticidade do momento em que a vilã encontra a frase escrita, seguida pela sua reação de apagar desesperadamente. É uma trilha tão boa, tão contundente que até voltou a ser utilizada depois em outra novela ainda no ano de 92: Deus Nos Acuda, de Sílvio de Abreu, no horário das 7. As trilhas instrumentais de Felicidade foram brilhantemente criadas e conduzidas pelo produtor musical Renato Ladeira, que aliás, também foi responsável pelas de Deus Nos Acuda, reaproveitando também várias trilhas já executadas antes em Felicidade. Sou um apaixonado por trilhas instrumentais, pela trama de Felicidade e seus personagens. Pra mim, a melhor e mais marcante Helena criada por Manoel Carlos, foi mesmo a defendida por Maitê Proença. E quanto aos instrumentais daquela novela, eu me lembro deles até hoje. Abraços e parabéns pelo tão bem elaborado "Dossiê Felicidade"!

adailton77 disse...

Ah, esqueci uma coisa: se vocês, Rapha, Wesley e Vítor quiserem conferir a beleza das trilhas instrumentais daquela novela e poder comprovar o que eu tô falando, dêem umas olhadas nos vídeos da trama e prestem atenção nos instrumentais e vejam como eu tenho razão em dizer que eles são realmente contundentes e marcantes. Um forte abraço!!!

israel cordeiro disse...

Depois de ter lido estas análises sobre a novela resolvi assistir por curiosidade,pois na época só vi o início e em 98 esta foi muito picotada no vale a pena ver de novo que nem vi graça.Amei! Os diálogos entre personagens tem a marca Manoel Carlos legítima,aquela marca que emociona.Não era maduro na época da primeira exibição e hj absorvi cada cena,cada diálogo...ainda falta alguns capítulos p/ terminar,mas até aqui já valeu a pena.

Unknown disse...

tenho o livro os melhores contos de Aníbal Machado não empresto pra ninguém

Unknown disse...

tenho o livro os melhores contos de Aníbal Machado não empresto pra ninguém

Prefira também: