sexta-feira, 20 de maio de 2011

20 anos de “O dono do mundo”: um legítimo “Gilberto Braga”.




No dia 20 de maio de 1991, ia ao ar o primeiro capítulo de “O dono do mundo”, talvez a novela mais polêmica e controversa de Gilberto Braga. Segunda obra da trilogia sobre a corrupção, que começou com a antológica “Vale Tudo” (1988), “O dono do mundo”, no entanto, não é lembrada pelo êxito da primeira, mas por uma polêmica que prejudicou a audiência na época e até hoje é mais comentada do que as suas inúmeras qualidades.


A trama contava a saga de vingança da jovem Márcia (Malu Mader), professora virgem do subúrbio, que é seduzida em sua lua de mel pelo sedutor cirurgião plástico Felipe Barreto (Antonio Fagundes), que aposta uma caixa de champanhe com o amigo Julio (Daniel Dantas), que levaria a moça para a cama antes do próprio noivo, Walter (Tadeu Aguiar). Felipe arma todo um esquema para que isso aconteça e acaba seduzindo Márcia, que acaba se apaixonando pelo crápula. Ao descobrir toda a verdade, Walter perde o controle e acaba sofrendo um acidente de carro e morre. Tomada de amores, Márcia tem esperanças de que Felipe vai se separar da devotada e rica esposa Stela (Gloria Pires) para ficar com ela. Ao descobrir que fora enganada e que teve sua vida destruída, Marcia parte para uma implacável vingança contra Felipe.

Porém, o que o autor não esperava era que o público, ainda conservador, fosse se voltar contra Márcia, atribuindo a ela a culpa pela morte do noivo. Na verdade, o que não perdoaram foi o fato de Márcia ir bater na porta do quarto de Felipe, e não o contrário. A solução foi dar bastante destaque a outro par romântico da novela, Taís e Beija-Flor, vividos pelos estreantes em novelas globais Letícia Sabatella e Ângelo Antônio. Mesmo se prostituindo no início da novela, o público não se voltou contra Taís e torceu até o fim para que o amor deles prevalecesse. Impossível não ouvir “Codinome beija-Flor” na voz de Luiz Melodia e não se lembrar do casal, cujo maior empecilho era a ambição da moça e a falta de ambição do rapaz.

Um fator que talvez tenha afastado parte do público da novela, que migrou para o SBT, que exibia a açucarada “Carrossel”, era a acidez de sua narrativa. Ao contrário de “Vale Tudo”, que através de sua trabalhadora heroína Raquel, lançava um olhar otimista para a realidade, mesmo com um time de vilões de primeira categoria e com toda a crise por qual passava o país, “O dono do mundo” era mais sombria, mais cínica, mais pessimista, mostrava que o poder tudo podia e que os pobres não passavam de marionetes nas mãos dos mais poderosos. A abertura, com Chaplin vivendo “O grande ditador”, brincando com um mundo povoado por belas mulheres, já ditava o tom da narrativa e dava a dica do que vinha por aí.  Frases como “nunca mais pego mulher de além-túnel” eram proferidas pelo protagonista o tempo todo sem o menor resquício de culpa. Apesar de Gilberto Braga afirmar o tempo todo que o verdadeiro mocinho da novela era Rodolfo (Kadu Moliterno), que se envolveu com Stela após esta se separar de Felipe, o público, a exemplo de Márcia, também se deixou seduzir pelo cafajeste charmoso construído por Fagundes.

Entre os destaques do elenco, cito Nathalia Thimberg e Glória Pires pelo mesmo motivo. As duas viveram tipos bem marcantes em “Vale Tudo” e suas personagens na novela em nada lembram as antecessoras. Impressionante como Nathália não deixou nem rastro da doce e amável Celina ao interpretar a amarga e desagradável Constância Eugênia, assim como a digna e elegante Stela não lembra em nada a ambiciosa Maria de Fátima. Dá gosto de ver duas atrizes em cena com capacidade tão altamente transformadora. Vale ressaltar também a transformação da própria Malu no decorrer da novela, de uma Márcia ingênua e simplória para uma Márcia vingativa e charmosa. Justiça seja feita: a atuação de Malu foi louvável. Felipe Barreto está entre meus personagens favoritos de Fagundes, sempre dotado de carisma, mas aqui também com um charme arrasador. Maria Padilha, como a patética e interesseira Karen, também foi um grande destaque. Entre os destaques jovens do elenco, impossível não lembrar da saudosa Daniella Perez, que além de linda e carismática, já dava mostras de seu talento promissor. E o time de veteranos deu um show à parte: Beatriz Lyra (adorável), Claudio Correa e Castro, Ana Rosa, Hugo Carvana, Odete Lara em rara aparição televisiva, Jacqueline Laurence, Stenio Garcia, Paulo Goulart... com um timaço desses e um texto inspirado, o resultado não poderia ser menos do que alta dramaturgia.

Constância e Olga, inimigas na trama, renderam ótimos momentos.

Mas o grande destaque mesmo fica por conta de Fernanda Montenegro e sua impagável Olga Portela. Na pele da cafetina não declarada, Fernanda deu um show, deitou e rolou com um texto inspiradíssimo, mas que só renderia na boca de uma atriz de altíssima competência. Olga tinha falas maravilhosas e Fernanda soube dosar perfeitamente o cinismo e a hipocrisia da personagem que, afinal de contas, era do bem e guardava um dos maiores segredos da trama.

Quanto à polêmica com Felipe Barreto, o autor chegou a criar uma redenção para o personagem, fazendo com que o público pensasse que ele havia se regenerado. Mas ao final, Marcia consegue cumprir seu objetivo de desmascará-lo.  A cena que fecha a novela é a de Felipe se casando com uma jovem herdeira de um fazendeiro em Goiás e paquerando outra jovem durante a cerimônia. O olhar cúmplice de Felipe para o público e o comentário: “é virgem” foi a resposta perfeita do autor para o público, que também se deixou seduzir por Felipe, confirmando o tom cínico e crítico que permeou toda a trama.

Enfim, quando assisti à novela pela primeira vez, era muito jovem e nem tomei conhecimento dos comentários negativos a respeito dela. Agora, ao rever a novela, estou constatando a ótima impressão que tive na época. Um autêntico Gilberto Braga, com tudo aquilo que o universo do autor tem de delicioso: a elegante decadência do high society, alpinismo social, armações e viradas espetaculares, texto irônico, mas sem deixar de lado o bom e velho folhetim e, claro, grandes cenas para grandes atores.
Fica a torcida por uma reprise no Canal Viva no mesmo horário de “ValeTudo”  e a lembrança de duas décadas de mais essa pérola gilbertiana.



10 comentários:

Ivan disse...

Na época de O Dono do Mundo, eu tinha 16 anos, e lembro bem da polêmica sobre a novela, em revistas e até o Fantástico fez uma matéria sobre a novela, lembro desse treco da chamada do programa: ''...e vc? acha O DONO DO MUNDO, uma novela imoral?'' .
Como era muito jovem, não me ligava tanto nas nuances da trama, nas criticas sociais do texto. me interessava apenas a historia e confesso q achava boba a ideia do cara q quer transar com a mulher de outro cara pq é virgem, achava pouco pro mesmo autor de VALE TUDO.
mas com o passar do tempo , eu amadurecndo e o declinio da qualidade dos textos de novela, tive a chance de rever alguns capítulos e ai pude conferir realmente a grande proposta que era O Dono do Mundo. escrita ainda na epoca em que Gilberto sentia o minimo de tesão em escrever.
Parabéns pelo texto Vitor!

FABIO DIAS disse...

Tinha 9 anos quando passou, não via novela na época. Mas tem uma cena que não me sai da cabeça, acho quera a Natalia Timberg ou Fernanda Montenegro, não tenho certeza, mas chorava, desperadamente, gritando. Essa cena nunca me saiu da cabeça. Quando vejo algo sobre a novela. Me lembro dessa cena, mas não sei nem o que acontecia.

Duh disse...

A lembrança que tenho da exibição original de O Dono do Mundo é tão forte que eu poderia jurar que a novela foi um estouro de audiência e assim teria carimbado seu passaporte para o Vale a Pena Ver de Novo. Jurava que a novela tinha sido reprisada! Mas não... Todas minhas lembranças datam de 91 mesmo, de quando a minha pouca idade só me permitia entender a ingênua trama de Carrossel, que eu também acompanhava. São flashes de Fagundes, Malu Mader, Fernanda Montenegro, Glória Pires, Sabatella, em cenas que me deixavam preso diante da TV, como o flagra de Stela no marido Felipe, pego na cama com Taís, após uma armação de Márcia, ou Vicente (do grande Cláudio Correa e Castro) descendo a mão na filha Taís ao descobrir que ela se prostituía.

Ótimo texto, Vitor! Parabéns! E que venha O Dono do Mundo no Viva! hehe

Walter de Azevedo disse...

O Dono do Mundo não me agradou de início. Não por esses motivos moralistas, mas alguma coisa ali não me prendia. Aos poucos a novela me cativou e, tirando o final, gostei bastante. Ano passado revi a novela e fiquei chocado com a qualidade de texto, direção e interpretações. Classifico O Dono do Mundo o último (até então) grande trabalho de Gilberto Braga em novelas. Vitinho, concordo com vc em relação à Fernanda, Nathália, Malu e especialmente Glória. Isso sem contar o verdadeiro dono do mundo. Fagundes deitou e rolou!

Eddy Fernandes disse...

Adoro O Dono do Mundo!

Estou acompanhando a novela pela primeira vez, absolutamente encantado com o texto, com a qualidade das interpretações, a direção, a trilha... enfim, tudo!

Gilberto Braga em sua melhor forma, nos presenteia com um pequeno diamante televisivo. Recomendo hoje e sempre!

Mais um texto exemplar do Melão. Que orgulho desse tio, rs!

aldeia disse...

eu adoro essa novela. Lembro que foi na época do meu primeiro emprego e tinha que gravar e via de madrugada...como adorava a história de vingança da Márcia...lembro que o pessoal implicava com os vestidos dela , de maria mijona...rssss não curtia muito o casal beija flor e thais, achava os dois chatos..também minha personagem preferida é a Olga Portela, o teste gay dela pro William pra mim é umas das melhores cenas da novela. Não vejo tanta diferença do Gilberto Braga de antes com o de agora. Acho que ele continua fazendo um excelente texto..até ele imitando ele mesmo é melhor do que muito original.

TH disse...

Foi exatamente onde começou meu amor (até hoje) pela bela, talentosa e engajada Letícia Sabatella, estreando em novelas após o especial "Os Homens Querem Paz", de Luiz Fernando Carvalho que foi ao ar no mesmo ano.

Belo texto!

Marina disse...

Eu tinha 11 anos! Mas eu amava a novela, e, já mais velha, rezava pra ser reprisada. Nunca foi. Anos depois que fui entender o motivo. Ora bolas, então passem no viva tarde da noite que assistimos! =D

Adoro vir aqui ler seus textos!

Beijão

@Ninavalle

Roberta Ribeiro disse...

Hun vou assistir agora pela primeira vez!

yvanna disse...

Eu tinha 25 aninhos' melhor novela de todos os tempos😜😜😜vamos reprisar A Novela Brilhante

Prefira também: