quarta-feira, 23 de maio de 2012

Blogueiro convidado: Pedro Silva reverencia Lauro Cesar Muniz


Louros pra Lauro    

  

Por Pedro Silva

Todo mundo tem seu novelista preferido, aquele que admira mais e que numa discussão ferrenha com amigos noveleiros é objeto de discussão apaixonada.
Sou assim com o Lauro. Chamo-o assim, só pelo primeiro nome. É uma proximidade que sua obra foi me trazendo. A leitura deliciosa de Lauro Cesar Muniz solta o verbo, publicado pela Imprensa Oficial aumentou mais minha admiração e essa sensação de proximidade.
Falar que Lauro Cesar Muniz está entre nossos maiores autores é falar o óbvio. Mas como dizia aquele outro, “o óbvio também é filho de Deus”. Lauro é dos nossos autores mais ousados. Se um dia houvesse uma história da ousadia na nossa telenovela, suas obras estariam entre as principais a serem analisadas.
Lauro sempre foi o contraponto de muitos outros autores. Na década de 1970 revezou no horário das oito com a “nossa senhora” Janete Clair. Tentou de todos os modos renovar elementos da telenovela, por vezes subvertendo alguns dos pilares do gênero. Alguns dos aspectos que me chamam mais a atenção: a reflexão sobre tecnologia (em Transas e Caretas e Zazá, por exemplo), a relação entre a política e a trajetória do herói (como no clássico O Salvador da Pátria), a ordenação do tempo, a noção de moral do protagonista...
Sobre esses últimos, na questão da ordenação do tempo, surgem não só as sagas como Escalada, mas também modernidades como o tempo da ficção dentro da ficção em Espelho Mágico e o tempo do sentimento em O Casarão. Muito antes da simultaneidade à la Woolf  de As Horas, por exemplo, Lauro experimentou em horário nobre contar uma história em três épocas, simultaneamente. A história do amor que se realiza na maturidade deu origem a uma das cenas mais bonitas da história da nossa televisão:



Quanto à moralidade dos heróis, me encanta a forma como nas obras de Lauro existe um questionamento da moral como algo que não é dado, mas construído. Seus heróis não seguem uma moral formatada. Antes, se deparam com as definições dadas, questionando-as. Nessa trajetória, quem ganha é o público. Em Os Gigantes, por exemplo, havia uma Paloma perdida entre conceitos como amor e morte, necessitando se reinventar.


Eu ia escrever que jamais tivemos outro protagonista tão enredado em coisas como o poder do destino, do curso da história, quando me lembrei do Renato Villar de Roda de Fogo, trabalho de Marcílio Moraes que Lauro também escreveu.
Fico cultivando no imaginário flashes e cenas clássicas dessas novelas. Muitas delas, só conheci pelo quadro “Túnel do Tempo” do Vídeo Show.  
Como noveleiro, sofro às vezes pensando que é uma pena que não possamos ter acesso ainda a produções tão importantes como Escalada, Espelho Mágico, Os Gigantes, Transas e Caretas. Como noveleiro, e dramático que sou, elaboro meu sofrimento, mas intercalo a esperança de que com o Viva e os lançamentos da Globo Marcas, alguma coisa seja ressuscitada. Vou sonhando com a possibilidade de um dia poder ver essas novelas que povoaram o imaginário de uma época.
Desde que foi pra Record, Lauro tem tentado ser fiel á linha que lançou, fugindo da obviedade e apostando nos bons diálogos, nas tramas que mexem com o espectador, levando-o a repensar a trajetória que se vai desenhando em sua frente. Na nova emissora, Lauro contornou problemas e propôs caminhos. Sua crença é que forçou a Record a investir mais e mais na dramaturgia.



Com Máscaras, atualmente em exibição, Lauro toca de novo em polêmica. Numa estrutura diferente, vai mostrando pedaços de seus personagens, fragmentos de emoções que só farão sentido mais adiante. Nela, os universos de outras novelas suas vão surgindo aos poucos – aqui e ali é possível lembrar da angústia de Os Gigantes, dos cenários de O Casarão, das trajetórias que se cruzam de Roda de Fogo. O telespectador acostumado com o didatismo que impera atualmente na TV se sente incomodado. E como incomoda um intertexto e referências políticas numa novela, especialmente numa época marcada pela falta de opinião nos produtos culturais.
Há críticas e mais críticas a respeito (afinal, de telenovela e futebol, todo brasileiro entende), mas a verdade é que, a despeito de toda essas referências ao passado, com Máscaras, Lauro dá prova mais uma vez de seu fôlego e faculdade de criar.


***


Pedro Silva, com milhões de homônimos neste Brasil, é só mais um dos 786 mil a falar por aí sobre telenovela e tv. Estudou letras e história, já foi babá, operário por um mês, entregador de panfleto, professor de português e hoje trabalha como editor de livros. Gosta de melão(!), café, literatura, vinil, novelas da Manchete, cinema nacional da década de 70. Dizem que cozinha bem. É pai da Velma e da Frida, duas gatas loucas e amorosas. Costuma se levar a sério só algumas vezes ao mês, que é quando se põe a escrever no blog Óperas de Sabão. Mas nunca se leva a sério no tumblr Coisas de Pepa. No tuírer é so chamar pelo @pedrrrinho.
_____________________

LEIA TAMBÉM: 

Com a palavra, Mestre Lauro!



Blogueiro convidado: Ronaly Júnior relembra “Chiquinha Gonzaga"




6 comentários:

Diogo C. disse...

O Lauro é um autor que merece respeito sempre. Nunca desdenhou do formato, além de ser um dos únicos que tentam inovar sempre.

Parabéns pelo texto.

RÔ_drigo disse...

Laurão é O Cara!Dos meus autores favoritos tbm!!
E gosto mto de Máscaras,ñ é minha favorita,mas gosto demais^^

Joffre Faria Silva disse...

Pedro, que texto excelente! Quanta sabedoria em retratar um mito da telenovela brasileira. Você citou trabalhos que vieram bem antes de você mesmo ter agraciado o mundo com a sua presença. E é devido a isso que artistas como o Lauro (olha só, eu também estou me fazendo íntimo do cara...) precisam ser exaltados e trazidos à tona para que nunca se esqueça que a história da televisão brasileira se faz através de gigantes como o Lauro. Não estou assistindo Máscaras, mas fiquei com uma curiosidade imensa de fazê-lo, simplesmente porque ele escreveu novelas que me prenderam, me tocaram, e nunca sairam do meu subconsciente. Acho que o futuro da telenovela brasileira reside no fato de outras emissoras obterem um sucesso razoável para continuar existindo. A qualidade Global é indiscutível, porém se não houver competição, não há estímulo, não há criatividade. Espero que o Lauro transforme a Record, como ele fez com a Globo. Valeu pelo post, Pedro e Vitor.
Joffre

operasdesabao.com disse...

Oi, queridos,

muito contente com os elogios e comentários. E feliz de descobrir novos adoradores do Lauro!
Tou preparando um textinho pra semana que vem postar lá no blog e que tem tudo a ver com ele. Fiquem ligados!
ah! eu não tinha mencionado meu Face: https://www.facebook.com/pedro.apenas

Agradeço mais uma vez ao Vitor, pela generosidade em abrir espaços a discussões em seu blog! Obrigado!

Pedro

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Lauro sem duvidas é um grande autor, não acompanhei suas grandes novelas, as que foram citadas no texto, mais sei da importância delas para a dramaturgia. O que ocorre, é que na record não está munido de uma boa equipe de produção e isso prejudica seu trabalho. Espero que Mascaras decole e seja mais um grande trabalho do Lauro.

brincdeescrever.blogspot.com.br

Fabio Dias disse...

Gosto do Lauro.
Gosto de Máscaras.

Gostei do Texto, o autor merece todo e qualquer elogio.

Ninguém sempre acerta!

Abraço

Fabio
www.ocabidefala.com

Prefira também: