quinta-feira, 29 de março de 2012

Avenida Brasil: um conto de fadas pós-moderno.



Foi-se o tempo em que a Branca de Neve precisava de um príncipe para salvá-la das maldades de sua madrasta má. A Branca de Neve do século XXI levanta, sacode a poeira, dá a volta por cima. Vai à luta para recuperar o que perdeu e se vingar daqueles que fizeram mal a ela. Nesse início da nova novela das nove, “Avenida Brasil”, e a julgar pelas informações que temos do que virá pela frente, é impossível não fazer alusão ao famoso conto de fadas dos Irmãos Grimm. Só que, ao invés do Reino Encantado, o universo da trama é a movimentada e pulsante Avenida Brasil, que corta os principais bairros do subúrbio carioca.

Rita (Mel Maia) e Carminha (Adriana Esteves) em excelentes atuações

Assim como no conto de fadas, a menina Rita (Mel Maia, um escândalo de talento) é vítima da maldade de sua madrasta, a terrível Carminha (Adriana Esteves com o diabo no corpo), que dá o golpe no pai da menina (Tony Ramos, genial como sempre) e, após se apropriar do dinheiro dele, pede ao “fiel caçador”, digo, ao comparsa Max (Marcello Novaes), que abandone a menina em um lixão. Assim como a floresta do conto de fadas, o lixão da novela é um lugar cheio de perigos, com direito a velho do saco e tudo (outra lenda que aterrorizava as criancinhas). No lugar dos sete anões, Rita será amparada pela personagem de Vera Holtz. A menina cresce disposta a acertar as contas com sua rival. A partir daí, só mesmo o autor João Emanuel Carneiro e sua inspirada equipe poderão nos surpreender com situações pra lá de eletrizantes, assim como foram os primeiros capítulos da trama, que não deixaram ninguém desgrudar os olhos da telinha da tevê e da tela do computador, já que todos os Trending Topics do Twitter eram sobre a novela.

João Emanuel Carneiro não tem o estilo operístico de um Aguinaldo Silva, tampouco o naturalismo de um Manoel Carlos. Seus personagens também não possuem a dimensão humana dos personagens dos folhetins de Gilberto Braga, em que as vilãs, muitas vezes, ganham a simpatia do público, que enxerga nas atitudes delas muitas de suas próprias atitudes. No entanto, João Emanuel Carneiro tem se mostrado mestre em conduzir tramas emocionantes cheias de reviravoltas e vilões capazes de tudo para atingirem seus objetivos sem demonstrarem remorso algum, como foi o caso da psicopata Flora, célebre personagem de Patricia Pillar em “A Favorita”. Ao que tudo indica, a Carminha de Adriana Esteves vai pelo mesmo caminho, sempre com diálogos inspirados e um jeitão debochado e irônico que faz com que o público vá ao delírio. Já estamos com medo da maçã envenenada que esta madrasta má está a preparar para sua enteada, que na segunda fase vai ser vivida por Debora Falabella.

Debora Falabella, que viverá a heroína na segunda fase da trama

Enfim, as tramas de João Emanuel Carneiro nunca me remetem à realidade, mas sim a uma deliciosa fábula reinventada em que príncipes encantados dão lugar a tipos bem populares como jogadores de futebol, que são os heróis da atualidade, como são os personagens dos protagonistas masculinos vividos por Murilo Benício e Cauã Reymond. A doçura e a inocência dos contos de fadas tradicionais dão lugar a um clima sombrio, assustador, de permanente tensão, em que os heróis são capazes de atitudes tão condenáveis quanto às atitudes dos vilões. Por isso, prevejo muita emoção e tensão pelos próximos meses, principalmente quando a Branca de Neve em questão decidir tomar as rédeas de sua vida e partir para sua terrível vingança. A madrasta má que se cuide... 

16 comentários:

Fabio Dias disse...

Só mesmo o Melão com sua sensibilidade e conhecimento para construir um texto maravilhoso e tão delicioso de ler, longe dos clichês que rondam na net!

Parabéns Vítor pela análise e comparação.

João Emanuel é um gênio! Só nos trouxe alegria, e Avenida Brasil chegou chegando!

Abraço
Fabio
www.ocabidefala.com

Eddy Fernandes disse...

muito legal a tua analogia. não tinha parado para fazer essa associação.

a obra do João Emanuel é rica nesse tipo de alusão. no que diz respeito a Avenida Brasil, posso afirmar que estou adorando a novela e muito feliz em ver Adriana Esteves num papel diferente do que ela vinha fazendo nos últimos anos.

mal vejo a hora da segunda fase começar para acompanhar a vingança de Nina.

ótimo texto.

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Muito bom! Estou adorando Avenida Brasil, pelo o que vi, vai ser uma novela brilhante, dessa vez o João E.C se superou, torço por ele e pela novela.

fabiodiasr@hotmail.com

Celso Garcia disse...

Legal, concordo plenamente.
Eu havia achado Fina Estampa também um conto de fadas, porém com o tom farsesco e caricatural sendo mantido, com a intenção de dar no final aquela boa e velha lição de moral...
Mas como você bem apontou, Avenida Brasil tem ido além ao modernizar e contextualizar a historinha pros dias atuais, transformando-s numa grande história.
Belíssimo texto.

Fábio Leonardo disse...

A novela está fabulosa. Nos levamos nesse conto de fadas contemporâneo, sem grandes preocupações com a realidade. A história é excelente, contagiante, nos pega de maneira promíscua, e nos leva a uma cópula dramatúrgica das mais excitantes. Vamo que vamo!

Carlos Barros disse...

Tô gostando muito de Avenida Brasil e adorei o texto. Mal posso esperar para ver a reviravolta da personagem de Débora Falabella. Acho que no quesito "vingança", João Emanuel Carneiro não deixa a desejar.

edu vieira disse...

Já tinha adorado a analogia antes...e agora com esse texto bem embasado ajuda a reafimá-la...adorei a análise dos personagens do JEC comparados com os outros autores...é vero!! tenho gostado tb da novela, da agilidade, do apuro e de Adriana Esteves, a bruxa que tomou a primeira parte pra ela.

Wes L. disse...

Amo tudo que você escreve :)
Obs: Só acho que eles deveriam tomar mais cuidado com os figurantes. Alguns estão olhando para câmera, isso me irrita. Abraços, Wes.

Edison Eduardo d:-) disse...

É mesmo... Um conto de fadas à brasileira... E a Adriana Esteves tá arrebentando!!! Eu nem ia assistir mas, acredite, por acaso, vi uma cena de discussão dela com a menina no segundo capítulo e corri atrás das outras cenas!!! Estou ansioso pelas próximas... Vlw, Vitor, aquele abraço!

Cah disse...

Gente, o que é essa Mel Maia??? Vontade de apertar, apertar, apertar e não soltar mais! =]

E Adriana Esteves com o capeta no corpo foi ótimo. Estou apostando alto nela! Esse será o maior personagem da carreira dela! (junto com a Dalva, claro!)

Amo JEC... Amo, amo, amo!

KITO MELLO disse...

A Associação com o conto dos irmãos Grimm foi perfeita. JEC sabe tirar o fôlego do telespectador. Já tinha feito isso com Flora, e agora repete a dose com Carminha. Cada autor tem seu estilo, mas a única novidade é mesmo JEC. Suas novelas não enchem barriga, não enganam o telespectador. Cada capítulo terminado só aguça a vontade de querer acompanhar o próximo. Parabéns pela análise, Vitor. Abs.

Walter de Azevedo disse...

Que novela é essa que já agarra a gente no primeiro capítulo? João Emanuel Carneiro tem um frescor de autor novo, cheio de vontade. O texto dele nos passa a vontade de escrever e conquistar o público. Há tempos que eu não ficava com tanta vontade de ver o próximo capítulo, pelo menos nas novelas das oito/nove. Não tinha parado pra pensar nessa analogia com os contos de fadas, mas é perfeita. Realmente está tudo ali. E o elenco da novela é um show a parte. A pequena Rita é apaixonante. Vamos ver pra que lugar essa Avenida Brasil vai nos levar.

Mario Mendes disse...

Texto incrível!

Eu tô embasbacado com esse cara. Tava na hora de gente nova e boa fazer sucesso em horário nobre. A Favorita foi a melhor novela das 8 dos últimos tempos pra mim e essa acho que entra na sequencia da lista!

Ah, e ainda que as vilãs dele não tenham tanta dimensão humana quanto as do Maneco, elas também são justificáveis em algum momento (Flora foi muito!) o que faz a gente pegar aquele amor torto todo! Hehehe!

Victor Victório disse...

Sou fanático port televisão, sobretudo por teledramaturgia - que só perde para a música. Um dia, se Deus quiser, ainda irei trabalhar nesse ramo, que foi por isso que escolhi o jornalismo.
Enfim, só conheci o blog através do Vídeo Show e já gostei pra caramba! Vou visitá-lo diariamente. Curto algo que remete novelas, que comente, critique, algo que sempre acompanhei.
É isso, parabéns pelo sucesso do blog e do livro. Espero poder comprá-lo o mais rápido possível \o

POESIA NA ALMA. disse...

Olá, adorei teu blog!
Se puder dá uma passadinha no meu http://lilianpoesiablogs.blogspot.com.br/
abraços!

Agnaldo Xavier disse...

Até que enfim uma novela que vale a pena assistir. Depois de Fina Estampa com um texto horrível e atores principais péssimos.
Um texto magnífico, direção moderna e Adriana Esteves melhor do que nunca.

Prefira também: