domingo, 25 de outubro de 2009

Melão Express: rapidinhas, mas saborosas – Ed. 3

  • O assunto do momento no meio televisivo é o alto investimento que o SBT parece estar disposto a fazer em seu núcleo de dramaturgia. As supostas contratações de Betty Faria (foto) e Carla Marins surpreenderam todo mundo e há muitos boatos, como por exemplo, que Betty teria assinado um contrato de 100 mil reais por mês e que Eduardo Moscovis e Wagner Moura teriam sido sondados para os papel de protagonista. O que é fato e o que é boato só o tempo irá dizer. Só nos resta aguardar e torcer. Desejo à minha amiga Renatinha Dias Gomes (que está felicíssima em escrever para Betty) e Tiago Santiago muito sucesso nessa nova empreitada. E vibro pelo fato de Betty (ao que parece) estar recebendo o tratamento de estrela de primeira grandeza que realmente merece no SBT, já que vinha sendo meio desprezada pela Globo.
 Toda essa movimentação só favorece os profissionais da área. Gera mais empregos e valoriza o trabalho de todo mundo. A própria Rede Globo já mostra sinais de que foi afetada, uma vez que grande parte do elenco de “Cama de Gato” esteve muito recentemente no ar em outras novelas como “Três Irmãs” e ”A favorita”. Quase uma Record e sua costumeira repetição de elenco. Por que não resgatam ótimos atores que há tempos não fazem novelas (basta dar uma olhada na comunidade “Por onde anda” do Orkut) ou investem em gente nova? “Viver a vida” é um exemplo de investimento em estreantes. Espero que essa onda também chegue ao time de roteiristas. Conheço vários talentosíssimos, em busca de um lugar ao sol!


  •  Falando um pouco de “Viver a Vida”, não tenho conseguido acompanhar com assiduidade porque estou trabalhando à noite, mas quando vejo me sinto incomodado com algumas coisas, a começar pela protagonista, Helena (Taís Araújo). A moça está sempre com cara de enjoada e é irritantemente perfeita. A graça das Helenas é o fato delas serem terrivelmente humanas e cometerem erros como todo mundo. Essa está perfeitinha demais e Taís me parece pouco espontânea.
  •  Ainda na linha “pouco espontânea”, a atuação da sempre ótima Camila Morgado também me incomoda um pouco. Aquelas cenas de gato e rato com o marido de sua prima soam um pouco artificiais, os movimentos teatrais e os gestos muito ensaiadinhos. Pouca naturalidade (o que é um crime em se tratando de uma trama do Maneco) e pouca química do casal. Já ss cenas entre Gustavo (Marcelo Airoldi) e Alice (Maria Luísa Mendonça) são bem mais divertidas e a química do casal é muito mais flagrante. Mesmo a la Samantha Jones tupiniquim, Maria Luísa Mendonça está ótima e mostra que estava fazendo falta na TV.
  •  Tudo bem que o trio de personagens interpretado por Natália do Vale, Lília Cabral e Letícia Spiller  (foto) abusa de cenas fúteis e banais. Mas as três estão muitíssimo à vontade no papel. Letícia Spiller precisava de uma personagem mais naturalista. Já Lilia e Natália emprestam uma naturalidade impressionante às suas falas. A gente acredita mesmo que aquelas mulheres existem de fato, o que é um sinal de um excelente trabalho das atrizes.


  • Das duas uma: ou o SBT conseguiu uma mega-liquidação de séries americanas ou tem dinheiro pra gastar á toa, já que exibe (ótimas) séries inéditas na TV aberta como “The closer”, “Nip e Tuck”, “Medium”, “Cold Case”, entre outras, altas horas da madrugada, onde a audiência é quase insignificante. Não que esteja reclamando, pois como bom notívago até agradeço. Só fico pensando que essas ótimas atrações poderiam fazer frente às outras emissoras se passassem em horários mais competitivos.

  •  Por fim, um reclamação: como se não bastasse o horário absurdo do excelente “Som Brasil”, ele já chega praticamente ao seu terceiro ano e só homenageou até agora compositores masculinos. Não entendo a razão para o Clube do Bolinha, já que contamos com excelentes compositoras de ontem, hoje e sempre como Rita Lee (foto), Dolores Duran, Angela RoRo, Adriana Calcanhotto, Maysa, Marisa Monte, Marina Lima, Dona Ivone Lara, só pra citar algumas...
Por hoje é só. Inté a próxima!

2 comentários:

aldeia disse...

Bom, fico triste com a Betty Faria sair da Globo, pois assim como os grandes astros como Cuoco, Tarcisio, Glória Pires ela é a cara da emissora que tem tratado ela de forma não muito legal mesmo...também porque não vejo o SBT, mas tomara que dê certo....quanto a Viver a vida, não acho a melhor coisa que o Maneco escreveu e não me faz falta ver todo dia, mas discordo quanto às críticas da Thaís ...acho essa Helena bem legal, competente, pra cima, responsável....e vai sofrer um bom bocado mesmo com a doença da Aline Moraes e com a traição do marido...também me divirto muito com o lado Sex and the city mais maduro da novela....como há muitos personagens, sempre há alguns que a gente não gosta mesmo....

Carlos Fernando disse...

Espero (realmente espero!) que a novela "Viver a vida" melhore muito. Ela para ficar mais ou menos tem que mudar muita coisa. So ouço reclamação! É tudo o que você falou Vitor e muito mais. É tudo muito certinho demais. O ferrado é muito menos ferrado do que sortudo normal. Futilidades, futilidades e futilidades, só isso. Muitos me procuram para conversar e saber o que está havendo. Não sei! Para mim a novela está distante, impessoal. Tá difícil de acreditar na história. Não passa credibilidade. Eta Lelê! O tiozinho esta lelé.

Prefira também: