sexta-feira, 14 de maio de 2010

Flor de Lótus


Certa vez, em um exercício de curso de roteiro, criei uma protagonista que tinha por volta de 40 anos, bem casada e estabilizada. Algo acontece e ela é obrigada a dar uma virada em sua vida. Mas ao apresentá-la, a professora nem quis ler e foi taxativa: “mocinha de 40 não rola!”. Surpreso e chocado com tal declaração, nem quis gastar energia citando Tieta, Viúva Porcina, Charlô, Raquel, Helenas do Maneco e outros exemplos bem sucedidos. Como queria agradar, desisti da ideia momentaneamente e fiz a vontade da mestra, voltando para as mocinhas puras de 18 anos.

Mas essa mulher ficou na minha cabeça e um belo dia sua história começou a se delinear melhor em minha mente, vários personagens foram sendo criados à sua volta e uma sinopse completa com primeiro capítulo surgiram. Resolvo agora publicar a primeira cena desse primeiro capítulo, que é a apresentação da personagem, o que é sempre muito difícil, pois a gente precisa começar a contar a história pro espectador sendo o menos didático possível. Criei dois momentos: ela, jovem aos 23 anos às portas de se casar e 15 anos depois, com uma aparente frustração. Não sei se faria diferente hoje, mas foi assim que comecei...


FLOR DE LÓTUS Capítulo 1 Pag.: 1


CENA 01. MANSÃO DOS TREBIANI. JARDIM. EXTERIOR. DIA.



CAM PASSEIA POR ENTRE AS FLORES DO BELO JARDIM DA MANSÃO, COM GRANDE VARIEDADE DE FLORES, DE TODOS OS TIPOS, FORMATOS, CORES E TAMANHOS DIFERENTES, FORMANDO UM CONJUNTO MUITO BONITO. CAM PERCORRE TODO O JARDIM ATÉ UM PEQUENO LAGO ONDE HÁ UMA BELA FLOR DE LÓTUS. A ÁGUA EM TORNO DA FLOR SE AGITA. CAM VAI ATÉ A UMA MÃO JOVEM E FEMININA. É LUÍSA COM 23 ANOS. DUAS MÃOS TAPAM O ROSTO DE LUÍSA. É ARNALDO. LUÍSA COLOCA AS MÃOS SOBRE AS MÃOS DELE.

LUÍSA — Como se eu não fosse adivinhar que é você, meu amor.


LUÍSA SE VIRA PRA ARNALDO E ELES SE BEIJAM


ARNALDO — Amanhã a gente casa. Tá feliz, Luísa?


LUÍSA — Feliz? Eu estou nas nuvens! Arnaldo, eu te amo!


ARNALDO — Eu também, minha flor. E eu prometo te fazer feliz por todos os dias da sua vida.


NOVO BEIJO. LUÍSA COM EXPRESSÃO PREOCUPADA.


ARNALDO — O que foi, amor? Tô te achando um pouco tensa. Vai me dizer que já tá se arrependendo?


LUÍSA — Bobo! Não é isso, não Arnaldo! É muita coisa acontecendo. De uma hora pra outra, a minha vida vai dar um giro completo. Largar o trabalho, casar com você, e principalmente /


ARNALDO — E principalmente...


LUÍSA — (T) Mudar pra essa casa. Cê sabe que a tua mãe não vai com a minha cara.


ARNALDO — É o jeito dela, Luísa. Cê ainda não notou? E eu não posso sair de casa nesse momento que eu vou assumir a presidência da empresa.


LUÍSA — (DEBOCHADA) Quem diria que Arnaldo Trebiani se tornaria o rei do papel higiênico Sedoso, o mais amado do Brasil.


ARNALDO — Isso, vai debochando. E se eu vou ser o rei do papel higiênico, adivinha quem vai ser a rainha?


LUÍSA — Fazer o quê? São as ciladas do amor.


LUÍSA E ARNALDO SE BEIJAM. CAM VOLTA PARA O LAGO LENTAMENTE E DÁ CLOSE NA FLOR DE LÓTUS.
__________________
 CENA 02. MANSÃO DOS TREBIANI. JARDIM. EXTERIOR. DIA.



MESMA IMAGEM DO LAGO DA CENA ANTERIOR. INICIANDO NA FLOR DE LÓTUS SOBRE A ÁGUA. AS MESMAS MÃOS, AGORA COM UMA ALIANÇA, BRINCAM COM A ÁGUA. É LUÍSA, 15 ANOS DEPOIS, COM EXPRESSÃO PENSATIVA, OLHAR DISTANTE, PERDIDO, LEVEMENTE TRISTE. DUAS MÃOS TAPAM SEU ROSTO.

LUÍSA — Arnaldo?


RITA, NUM ROMPANTE, TIRA AS MÃOS DOS OLHOS DE LUÍSA.


RITA — Que é isso, garota? Vai dizer que as mãos do Arnaldo são delicadas desse jeito?


LUÍSA — Rita! Não acredito. Você veio, prima! Dá um abraço!


AS DUAS SE ABRAÇAM CALOROSAMENTE.


RITA — Diretamente do Rio de Janeiro, meu amor! E você achou que eu fosse perder o evento mais importante dos últimos anos da cidade de Recanto?


CORTA PARA:
__________________________________


Cena 3?
Quem sabe um dia não possamos vê-la no ar! O que terá acontecido a Luísa? E o que vai acontecer na tal festa? Sim, a novela ainda vai começar, mas a personagem foi apresentada.


Para relembrar outra cena postada aqui no melão, um animado chá de senhoras nos anos 50, clique em:
http://euprefiromelao.blogspot.com/2010/01/elegante-cha-de-senhoras-nos-anos-50.html

13 comentários:

Duh Secco disse...

Eu, no seu lugar, não faria diferente. Luísa foi muito bem apresentada. Adorei!

E pobre professora essa que desacredita em mocinhas com mais de 40. Mais interessantes do que as jovenzinhas...

Ivan Marcio disse...

Vc sabe o qto torço por vc, não só pq sou seu amigo, mas pq vc tem um incrivel talento, sensibilidade e respeito a inteligência das pessoas! vc vai chegar la!!!
eu quero ver nas telinhas FLOR DE LOTUS!

e d d y disse...

Irrepreensível! Uma bela (e nada didática) apresentação da personagem. Eu me sinto muito honrado de já conhecer essa história. Sou completamente apaixonado por ela. Você sabe que das suas é a minha predileta. Muito sucesso, queridão!

Evana R. disse...

Adorei!! Mas agora eu fiquei curiosa... Tô achando que essa Rita não é assim o que a gente possa chamar de "flor que se cheire", hehe
:**

RÔ_drigo disse...

Essa história promete...
Já te disse isso uma vez;]]

edu disse...

eu já li...tem traíragem no ar...a Rita é legal, acho eu, Evana....mas não lembro!

boa ideia, vitor!!!!
já pensou, a próxima novela, da autoria de Vitor Melon, Flor de Lótus....supervisão de Silvio de Abreu! rsssss

cristian-monteiro disse...

Curiosidade no ar...

Sinha Clementina da Camiranga disse...

Concordo com o comentário da primeira mocinha: mulher mais velha dá muito mais pano pra manga que protagonista jovenzinha. Já deu pra perceber que a Luísa tem uma sogra daquelas de dar medo em lobisomem. E a Rita deve ser a prima irreverente que vai balançar o barco e ajudar a Luisa a mudar de vida, porque pelo jeito o casamento com o Arnaldo não é muito feliz. Agora fiquei curiosa... beijim

O Vitor viu... disse...

Acertou em cheio, Sinha. E que bom que ficou curiosa...rs! Volte sempre!!!

silvia61 disse...

Sinhá é véia matuta fio, com experiência de vida pra mais de metro. Das veiz basta Sinhá batê os zóio num vivente pra mais ou menos sabê qualéquié o perrengue que tá azucrinando elezim, causo de que Sinhá é meio vidente num sabe? Teve avó turca capaz de adivinhar "bresente, bassado e vutura". Sinhá também adora um causo da vida alheia. Não que Sinhá seja linguaruda, fofoqueira,bissolutamente.
Só concordo em número, gênio e degraus com aquele escritor gringo que falou que "Deus inventou a humanidade porque também adora uma boa história". Verdade verdadeira, da legítima. Pode ficá tranquilo que agora que discubri seu cafofo vou passar a visitar sim, tomém sou noveleira, emboramente aqui na Camiranga seja difícil de pegar sinal de televisão. Beijim

Vicente disse...

Senti um clima que me reportou à maravilhosa adaptação que Manoel Carlos escreveu para "A Sucessora", ainda nos primórdios das novelas das seis... E isso não é uma crítica, mas sim, um elogio!!!
Parabéns, Vitor.

Wesley disse...

Sou privilegiado por já conhecer Flor de Lótus e sei muito bem do seu potencial. Tenho fé que um dia a veremos no ar...

Leonardo Távora disse...

Desculpe a demora em comentar suas cenas. São muito bacanas. Dá pra notar o começo, meio e fim delas. E são cenas muito complicadas, pois são o inicio de uma história, e todos sabemos, desenvolver uma história é até tranquilo. O dificil mesmo é começar e acabar. O começo é delicado por causa do ponto de partida... e acabar dá uma dor no coração... mas tudo tem seu começo e seu fim, e essa sua história tem um começo muito interessante.

Prefira também: